O comandante do Exército Brasileiro, general Eduardo Villas Bôas, é convidado de Bolsonaro para ficar em um cargo no seu governo. Ele admitiu que ainda precisa discutir qual seria a vaga. Ele pensa em um local onde possa “redimir a imagem dos militares” perante a opinião pública que, entende a caserna, foi dilapidada na era PT.

Villas Boas transmitiu nesta sexta-feira o cargo de comando ao general Leal Pujol. Villas Bôas foi promovido a general em 2011 e foi nomeado comandante do Exército em 2015, no governo Dilma. Trata-se, para alguns, como uma exceção. O general é dos poucos integrantes do alto escalão do governo petista que deve permanecer em posição de prestígio no governo Bolsonaro.

O general Villas Bôas foi diagnosticado com uma doença neuromotora degenerativa, que causa dificuldades de movimento. No entanto ele é conhecido pela competência.