Apesar de todo o modernismo que toma conta de alguns setores, inclusive do nosso sistema eleitoral, o processo para credenciar o eleitor com o e-título, ou título de eleitor no celular, até agora, poucos foram os que aderiram ao sistema. Da dificuldade de acesso para se credenciar e até a aceitação em algumas secções eleitorais do Brasil, transformaram esse modernismo em algo muito pouco oficializado.

No primeiro turno, por exemplo, foram várias as queixas de eleitores que não se deram bem ao apresentar o celular como documento na hora da votação. Ao chegar para a votação em zona eleitoral, Ricardo Craveiro Feitosa, de 35 anos, teve seu título rejeitado por mesária da seção, mesmo com a biometria cadastrada. Caso aconteceu no Colégio Militar do Corpo de Bombeiros do Ceará, no primeiro turno.

“Tive meu voto impedido por isso, mas minha biometria estava cadastrada”, reclamou. De acordo com o Tribunal (TSE), ao apresentar o e-Título na seção eleitoral, só é necessário outro documento com foto para o eleitor que ainda não fez o cadastro biométrico. Mesmo assim, o empresário teve que retornar ao colégio com outro documento para conseguir exercer o voto.

e-Título

O aplicativo e-Título é uma alternativa ao título de eleitor impresso. Ele permite acesso rápido e fácil às informações do eleitor cadastradas na Justiça Eleitoral. O aplicativo pode ser baixado para smartphone ou tablet, nas plataformas iOS ou Android.