A ministra Rosa Weber, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), recusou qualquer possibilidade de fraude no processo eleitoral, durante coletiva a imprensa, neste domingo (21/10). Ela disse que o TSE não descobriu ainda “a forma do milagre” para o combate a “fake news”  assunto que vem tomando todas as redes sociais nas últimas semanas e apontado como a causa da grande avalanche de eleitores influenciados para o segundo turno eleitoral.

Ela defendeu o duro combate às notícias falsas e disse que o papel da Justiça Eleitoral é ser objetiva e transparente, respeitando sempre o processo legal.

Rosa Weber por fim falou sobre o vídeo que veio em que o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do candidato à Presidência Jair Bolsonaro, afirma que, se o Supremo Tribunal Federal (STF) decidisse contestar a candidatura de seu pai, teria que pagar para ver o que aconteceria. “Se quiser fechar o STF, você sabe o que você faz? Você não manda nem um jipe. Manda um soldado e um cabo”, disse Eduardo.

Entretanto a ministra foi ponderada e garantiu que nenhum juiz no Brasil se deixa abalar por qualquer manifestação inadequada. “No Brasil, as instituições estão funcionando normalmente”, afirmou a ministra.

A entrevista de domingo, se deu em virtude da publicação pelo jornal Folha de S.Paulo sobre a contratação, por empresários, de serviços para disseminar nas redes sociais conteúdo contra o PT no WhatsApp. A ministra defendeu os juízes, servidores e mesários que trabalham no processo eleitoral, afirmou que a Justiça Eleitoral não tem partido, e disse que o sistema de votação eletrônica pode ser auditado. “Confiem na Justiça Eleitoral”, pediu Rosa.