O candidato Jair Bolsonaro, que já está praticamente assumindo a presidência da República, segundo o que seus partidários comentam, vai entrar na política de Michel Temer. Hoje a Folha de S. Paulo publica matéria onde o candidato diz que vai baixar o preço dos combustíveis atendendo reivindicação dos caminhoneiros grevistas.

Isso é repetir o atual presidente Michel Temer. E promete também negociar com os estados as mudanças nas alíquotas do ICMS. As mudanças prometidas, não serão tão expressivas como se anunciou e ele vai bisar as medidas negociadas em maio pelos economistas de Temer. O atual presidente chegou a reduzir as alíquotas de PIS e Cofins e zerou o Cide. Até agora, entretanto, os descontos não foram totalmente repassados ao preço das bombas, segundo a Agência Nacional de Petróleo. Tanto que o próprio mercado é quem está regulando o preço.

O Projeto de Bolsonaro diz que a Petrobrás não vai subsidiar os preços nas bombas e os preços terão flutuação suavizadas por outro mecanismo (?). Ele propõe criar um imposto flexível, que flutue para compensar os efeitos nos preços. Mesmo que tenha dito que não haverá aumento de impostos, os analistas econômicos garantem que isso pode significar mais encargos tributários para os consumidores em longo prazo.