Chega dia 20, quarta-feira da próxima semana, no Congresso Nacional, o projeto da reforma da Previdência para os militares. A partir daí, conforme o secretário especial da Previdência e Trabalho, Roberto Marinho, tudo deverá tramitar normalmente na Casa. Marinho reafirmou que a espera que a reforma da Previdência como um todo esteja aprovada ainda no primeiro semestre.

“Vamos aguardar as tratativas dentro do Congresso, a gente precisa que seja aprovado, o tempo que ele vai levar para se debruçar sobre o texto e discutir com transparência o texto, o que pra nós é relevante”, disse Marinho.

Novas regras
O que deve mudar para os militares:
» Tempo mínimo de contribuição: passa de 30 para 35 anos para quem ingressar na carreira depois da aprovação do projeto.
» Transição: pedágio de 15% a 20% para entrar na reserva.
» Alíquotas: vão de 7,5% para 10,5% em 3 anos (alta de um ponto percentual por ano).
» Pensões: passam a ser taxadas em 10,5%

Possíveis contrapartidas:
» Reajuste no adicional de habilitação, que hoje vai de 12% a 30%.
» Criação de um adicional de disponibilidade militar.
» Ajuda de custo na passagem para a reserva sobe de quatro para oito remunerações brutas.