Moro vai encontrar as primeiras resistências na nova função como superministro da Justiça. O Sindicato dos Funcionários da CGU já se manifestou contra a fusão dos ministérios que vão redundar no pretendido superministério no governo Bolsonaro.
A Transparência Internacional em parceria com a Fundação Getúlio Vargas, inclui projeto de lei para definir as novas atribuições da CGU e mantê-la subordinada à Presidência da República.
Esta ideia já aconteceu no governo de Dilma Rousseff, que queria colocar a CGU na Justiça, mas acabou não acontecendo porque os funcionários o órgão fizeram protestos veementes. Resta saber como será o relacionamento com o novo governo.