O discurso de Jair Bolsonaro foi uma verdadeira flauta de Hamelin. Ele acabou sendo eleito como o grande caçador de corruptos. Hipnotizou a todos com a sua conversa vazia de que iria metralhar a petezada e ganhou como prêmio pelo seu trabalho o voto de uma legião de pessoas que acreditaram na sua flauta mágica.

Aos poucos a verdade vem se concretizando. Nada além do que nos livrar de ratos, o discurso Bolsonaro não nos acalenta com nenhuma outra providência que possa ser considerada como uma atitude de Chefe de Estado. Ele continua tocando a sua flauta pois já não apresenta mais a cabeça dos ratos caçados.

Ao contrário, estamos aguardando que ele com sua flauta continue levando para fora da “cidade” os meninos que acreditaram na sua hipinose, para trancá-los na sua caverna de promessas não cumpridas.

A hipinose até agora foi tão eficiente que ele segue salivando meninos e meninas incautos e os levando para a sua toca de encanto. Enquanto isso o País vai ficando vazio, apenas com imensos celeiros e bem cheias despensas, protegidos por sólidas muralhas militares e um imenso manto de silêncio e amarga tristeza.

E o Brasil se transformará numa Hamelin, onde, por mais que se procure, nunca encontraremos, nem os ratos, nem nossas crianças. Mas um país de velhos desaposentados, desempregados, sofridos e tristonhos.

Osni Gomes – Editor de Politicracia