A última eleição presidencial apontou o maior percentual de votos nulos no segundo turno, desde 1989. Foi um total de 8,6 milhões, ou 7,4% dos votos. Houve um acréscimo de Foi um aumento de 60% em relação ao segundo turno da última eleição presidencial, em 2014, quando 4,6% dos votos foram anulados.

Os votos brancos foram 2,4 milhões, ou 2,1%, no segundo turno, ou 1,7% a mais que na última eleição presidencial. O não comparecimento também foi grande: 31,3 milhões de eleitores ou 21,3% total, mais ou menos igual ao segundo turno presidencial de 2014.

Na soma geral de brancos, nulos e abstenções tivemos 42,1 milhões de eleitores que não votaram em nenhum dos concorrentes. Isso representa em torno de um terço do total. Jair Bolsonaro foi eleito com 57,7 milhões de votos e Fernando Haddad teve 47 milhões de votos.

Os paranaenses que não escolheram nenhum dos dois foram 4,4% ou 290.303 votos. São Paulo e Minas puxaram a fila: Em Minas Gerais o maior índice proporcional ou 1.265.035 (10,6%) e em São Paulo, com números absolutos maiores 2.576.495 (10,0%), mas em segundo na proporção.