O “fogo amigo” é o que mais arde na vida do presidente eleito Jair Bolsonaro. Além dos filhos, ele está tendo que conviver com a “soltura” dos seus companheiros mais próximos.

Por exemplo, o vice-presidente general Hamilton Mourão. Neste sábado, ele conversou com a jornalista Andreia Sadi, da Globo e soltou o verbo.

Sobre o empréstimo de Bolsonaro ao motorista Fabrício de Queiroz, cobrou: “O ex-motorista, que conheço como Queiroz, precisa dizer de onde saiu este dinheiro. O Coaf rastreia tudo. Algo tem, aí precisa explicar a transação, tem que dizer”.

Sobre a justificativa de Bolsonaro, também: “Ele colocou a justificativa dele. Ele já disse que foi um empréstimo. O Queiroz precisa explicar agora”. E disse que o governo sempre tem que dar satisfações à sociedade. “Senão fica parecendo que está escondendo algo”.

Sobrou ainda para o futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que fugiu da coletiva na sexta-feira, quando foi questionado sobre o escândalo:

“Ele tá estressado. Quando responde daquele jeito, parece que tem culpa no cartório. Quando me perguntam, eu respondo claramente, com tranquilidade. Temos que falar”, concluiu o vice.