Bolsonaro deixa a presidência do Brasil na noite de domingo. Ele vai representar o País no Fórum Econômico Mundial de Davos e retornará ao país na madrugada de sexta-feira (25). O Brasil terá um novo presidente em exercício. O vice Antônio Hamilton Mourão (PRTB) assumirá o cargo assim que Jair Bolsonaro (PSL) viajar para Davos, na Suíça, onde participará na semana que vem do Fórum Econômico Mundial. O general substitui o capitão, ma garante que não violará a disciplina com as decisões já tomadas por Bolsonaro. E alertou os opositores do governo que não precisam se preocupar com o comando do país nas suas mãos.

“Existe uma coisa que se chama disciplina. E a disciplina mais elevada é a disciplina intelectual, é aquela em que você obedece firmemente as decisões que foram tomadas. Então é isso que eu vou fazer nesse período, cumprir as decisões do presidente Bolsonaro”, disse Mourão ao ser perguntado sobre alguma atitude radical que possa tomar. “Apenas quem não me conhece bem me considera radical”.

De fato não é previsto que o vice-presidente interino, Hamilton Mourão, assine alguma medida administrativa ou decreto enquanto estiver no exercício da Presidência. Mourão deve ficar no cargo entre a noite de segunda-feira, 21, até a noite de sexta-feira, 25, de acordo com sua assessoria.

Mourão tem uma viagem programada ao Rio na terça-feira, 22, para a passagem de comando do 2º Regimento de Cavalaria de Guarda do Exército. No mesmo dia, há possibilidade de o vice-presidente jantar com empresários em Brasília. De quarta a sexta-feira, Mourão irá despachar do gabinete próprio, no Anexo II do Palácio do Planalto.

No dia 28 de janeiro, Bolsonaro deve novamente se afastar do cargo para ser submetido a uma cirurgia para retirar uma bolsa de colostomia que utiliza desde que foi ferido em um atentado a faca em setembro de 2018. Mourão também deve assumir a posição de presidente em exercício no período em que Bolsonaro estiver se recuperando.