O espírito belicoso do presidente Jair Bolsonaro não tem fim. E agora encontrou pela frente um político surrado e disposto a “dar um boi para não entrar na briga, mas que dar uma boiada para não sair”. Rodrigo Maia não pretende vergar diante do presidente e no meio desse belicismo está a Reforma da Previdência.

O último capítulo de atritos entre o Palácio do Planalto e o Congresso, tem mais um protagonista. O líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO), saiu em defesa da “nova política” e afirmou que o presidente Jair Bolsonaro está convicto de que agiu certo no embate com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Major Vitor esteve com Bolsonaro no Palácio da Alvorada para viabilizar a tramitação da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). E depois o deputado enviou uma série de mensagens ao grupo dos parlamentares do PSL no WhatsApp.

O líder governista não citou nominalmente a “velha política”, expressão criticada por Maia na troca de farpas com Bolsonaro, mas disse que é “preciso mudar a situação” se referindo “às práticas do passado”.

“Nosso presidente está certo e também convicto de suas atitudes. (…) As práticas do passado não nos levaram ao caminho em que queremos estar. Todos nós, em particular do PSL, somos agentes para ajudar a mudar a situação em que nos encontramos”, escreveu Major Vitor Hugo no WhatsApp.

“Temos a possibilidade de escolher de que lado estar… Somos todos a nova política”, completou. O deputado fez ainda duas postagens sobre supostas negociações de cargos por Michel Temer e Dilma Rousseff em troca do apoios do Congresso.

Mais tarde, Vitor Hugo baixou o tom das mensagens, mostrando a importância de Maia para a aprovação da reforma da Previdência. “O apoio de Maia é importante para a aprovação da Nova Previdência e também do pacote de lei anticrime. Ele mesmo tem sinalizado que cabe ao governo montar sua base e queremos crer que o PSL é pedra fundamental nesse processo”, disse. Contou ainda aos deputados que teve reuniões com o presidente da Câmara e com o ministro da Justiça, Sérgio Moro, “para buscar pontes”.

Interlocutores de Maia afirmam que a divulgação das mensagens deixou o presidente da Câmara ainda mais irritado. O novo episódio deve acirrar ainda mais os ânimos com Bolsonaro — os dois trocam farpas em torno da articulação da reforma da Previdência desde sexta-feira.

Maia anda irritado com o governo depois que sofreu ataques nas redes sociais por Carlos Bolsonaro, filho do presidente.