Em Longyearbyen na Noruega, um lugarejo do arquipélago de Svalbard, perto do Polo Norte é proibido morrer. Ali vivem aproximadamente 2 mil habitantes e o frio é tão intenso que até a luz do Sol não aparece muito por lá. Entretanto a paisagem é belíssima, como testemunham aqueles que já foram lá.
Ocorre que neste local os cadáveres não se decompõem. Então as autoridades criaram uma lei em que proíbe as pessoas de morrerem por lá. Quando estão próximo da morte os moradores são obrigados a deixar o local e ir para o continente onde tem direito a morte.
E a lei é antiga. Data de 1950. Uma pandemia assolou a região em 1918 e algumas mostras do vírus permaneciam vivas 80 anos depois, colocando em risco os moradores de outras épocas.
Quem morre por lá tem que ser imediatamente cremado. Essa é a única possibilidade dos “mortos vivos” permanecerem por lá.