Bolsonaro continua acumulando uma bagagem pesada ainda dentro do entusiasmo de sua eleição. São malas e mais malas difíceis de carregar. São os casos dos deputados Alexandre Frota (ator pornô), Joice Hasselmann (ex-jornalista), o deputado derrotado Magno Malta e agora o cirurgião plástico conhecido como Doctor Rey , famoso na televisão depois do programa Doutor Hollywood (Rede TV!).

Este último esteve esta semana na casa de Bolsonaro, na Barra da Tijuca para se oferecer para ser o Ministro da Saúde do novo governo. Mas acabou não sendo recebido por Bolsonaro. Diante da realidade nada animadora que se apresenta ao futuro presidente, “uma bomba fiscal de ao menos R$ 259 bilhões, segundo um levantamento do jornal Folha de S. Paulo”, não é hora de fazer gracinhas.

Doctor Rey apareceu sem marcar ou ser convidado e até surpreendeu jornalistas que aguardavam informações sobre o contato entre Bolsonaro e o embaixador da Argentina, agendada para a manhã desta sexta-feira (9/11).

“Nós estávamos no mesmo partido, lembra? A gente estava no PSC. Éramos amigos, somos amigos. Eu só espero que, talvez, ele me cogite a ministro da saúde”, disse Rey, que pretende acabar com o Sistema Único de Saúde (“um crime”) e fazer com que todos os cidadãos brasileiros tenham plano de saúde privado.

“Não é loucura, gente. É assim nos Estados Unidos. Eu trago o sistema do primeiro mundo”, acrescentou, prevendo que seria frustrada a tentativa de reunião com Bolsonaro. “Talvez nem abram a porta.”

Se Bolsonaro tinha problemas com seus adversários, antes da eleição, agora está tendo contratempos com os seus partidários. “Todos querem ajudar”, mas a realidade do Brasil é bem diferente do que se imaginou.