Não será dia 12 de dezembro, como estava prevista a cirurgia para a retirada da bolsa de colostomia, usada pelo presidente eleito Jair Bolsonaro. O boletim médico divulgado hoje pelos médicos do Hospital Alberto Einstein.

O presidente passou por uma bateria de exames de laboratório na manhã de hoje, está bem clinicamente, mas ainda apareceram algumas inflamações entre as alças intestinais. Com isso os médicos optaram por não realizar a cirurgia dia 12, como era previsto.

A equipe, representada pelos médicos Antônio Luiz Macedo, cirurgião, Leandro Echenique, clínico e cardiologista, e Miguel Cendoroglo, diretor superintendente do Albert Einstein, decidiu, em reunião multiprofissional, “postergar a realização da reconstrução do trânsito intestinal.”

Bolsonaro ainda passará por uma nova avaliação em janeiro para a definição do momento ideal da cirurgia.

Ele fez uma cirurgia inicial, de grande porte, na Santa Casa de Juiz de Fora, depois uma segunda, já no Einstein, para corrigir a aderência. A estimativa é que o período de recuperação dessa terceira cirurgia demore de 10 a 15 dias.

A foto é da saída da comitiva do presidente eleito Jair Bolsonaro do Hospital Israelita Albert Einstein. Bolsonaro esteve no Einstein e foi submetido a exames laboratoriais, de imagem e consultas médicas. (Foto: Rovena Rosa /ABr)