Já foi aprovado na Assembleia Legislativa, por unanimidade, requerimento do deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) pedindo que não haja reajuste das tarifas nas 27 praças de pedágio do Paraná.

O reajuste anual é previsto em contrato para o dia 1º de dezembro. As empresas calculam os percentuais baseados em uma fórmula composta por índices da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

No entanto a governadora Cida Borghetti pediu à Justiça Federal que não autorize o reajuste no Anel de Integração.

A governadora determinou uma intervenção nas operações das empresas para auxiliar nas investigações de irregularidades que foram apuradas no âmbito da Operação Lava Jato.

“Por todas as situações que acompanhamos, com as ações envolvendo a Operação Integração acredito que o reajuste das tarifas vai aumentar ainda mais o prejuízo para a economia do nosso Estado”, afirmou a governadora.

“Construí um histórico de defesa dos interesses dos paranaenses nesta relação com os pedágios, e é esta linha que continuarei adotando”, acrescentou.

O contrato não prevê medida administrativa que impeça o reajuste. “Por isso, a estratégia de solicitar à Justiça Federal. A decisão tem que vir da Justiça, para que não fique nenhum passivo para o Estado ou para os usuários do Anel de Integração”, explicou a governadora.

O DER-PR já recebeu os cálculos para o reajuste das tarifas da Ecocataratas, Ecovia, Viapar, Caminhos do Paraná e Rodonorte. Mas até que a questão se resolva os aumentos estão congelados.