Durante a live de todas as quintas-feiras, que o presidente Bolsonaro promove desde Brasília pelas redes sociais, várias notícias são passadas ao público. Uma delas, nesta semana foi de que ele pretende determinar ao ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, que providencie a eliminação e retirada de circulação as placas de carro do Mercosul. “Vamos, com o nosso ministro Tarcísio, ver se a gente consegue anular a placa do Mercosul. É um constrangimento, uma despesa a mais”, disse.

Ele observou por exemplo que as placas são de difícil identificação porque não contém o nome das cidades e nem dos estados em que são emplacados os veículos.

Em novembro do ano passado, foi lançado o modelo da nova placa e estabelecido um período para troca do antigo. Na ocasião, as autoridades afirmaram que era mais seguro, pois dificultava fraudes e clonagens.

A placa do Mercosul é um “problema” que vem se arrastando por anos no Brasil. Ela começou a valer, em fins de 2018, porém teve, em dezembro de 2018, uma nova prorrogação da data limite para implantação – agora é 30 de junho de 2019.

Em novembro de 2018, uma resolução alterou a placa para retirar brasões de cidades e estados. Com a nova regra, o veículo manterá a mesma placa durante toda a vida útil, sem precisar alterar nada a cada mudança de cidade ou estado.