O ex-governador Beto Richa volta a ser denunciado por corrupção e pagamento de propinas pelas empresas de pedágio e políticos do Paraná. Ao todo são 33 envolvidos, num chamado núcleo político do esquema. Entre os mais notáveis, segundo a Operação Integração estão os nomes do irmão de Beto, Pepe Richa, o ex-diretor do DER, Nelson Leal Júnior, os ex-secretários da gestão Beto, Ezequias Moreira e Deonilson Roldo.

O despacho do juiz Paulo Sérgio Ribeiro, da 23ª Vara Federal de Curitiba, diz que ““há aparente prova da materialidade e indícios de autoria suficientes para caracterizar a justa causa necessária ao recebimento da denúncia”.

Beto é acusado de envolvimento por assinaturas em aditivos contratuais beneficiando concessionárias. E há também compras suspeitas de imóveis, com recursos advindos das vantagens recebidas.

O juiz Paulo Sérgio Ribeiro escreve também no despacho que a decisão é ” “para apurar com maior precisão a conduta de outros investigados que não foram, na presente oportunidade, denunciados. Também, a continuidade das investigações segue para esclarecimento de outros crimes antecedentes ainda não esclarecidos por completo.”