Treze nunca foi um número da sorte para os tucanos. E ele vem perseguindo ex-prefeito, ex-deputado, ex-governador e quase ex-senador Beto Richa (foto APP Foz/Divulgação). Ele acaba de entrar em mais um banco de réus, ao lado de doze outros condenados. Foi desta vez na Operação Rádio Patrulha, depois de já curtir uns dias de cadeia com a Operação Quadro Negro.  A ação foi do Ministério Público do Paraná, investigando um crime de propinas, mais uma vez, por desvio de dinheiro em licitações.

Beto nega tudo, como já fez da outra vez. Mas isso já lhe custou a perda do foro privilegiado, pois não conseguiu a sua eleição para o Senado. Segundo ele, são inocentes também sua esposa, Fernanda e o irmão José “Pepe” Richa, que se fez Pepe para não ser confundido com o pai, político de nome respeitado em todos os cantos do Paraná.

Além de Beto, outras 12 pessoas viraram réus na Operação Rádio Patrulha, no programa “ Patrulha do Campo”, para recuperação de estradas rurais do estado.

01 – Beto Richa – corrupção passiva e fraude a licitação
02 – Pepe Richa – corrupção passiva e fraude a licitação
03 – Deonilson Roldo – corrupção passiva e fraude a licitação
04 – Ezequias Moreira – corrupção passiva e fraude a licitação
05 – Aldair Petry – corrupção passiva e fraude a licitação
06 – Edson Casagrande – fraude a licitação e corrupção ativa
07 – Túlio Bandeira – fraude a licitação e corrupção ativa
08 – Emerson Savanhago – fraude a licitação
09 – Robison Savanhago – fraude a licitação
10 – Luiz Abi Antoun – corrupção passiva
11 – Celso Frare – corrupção ativa
12 – Joel Malucelli – corrupção ativa
13 – André Felipe Bandeira – corrupção ativa