O juiz Sergio Moro não teve sossego hoje pela manhã. Levantou cedo e antes das 7 da manhã já estava voando para o Rio de Janeiro, onde está nesta manhã, conversando com o presidente Jair Bolsonaro. Ainda no avião ele deu entrevistas e comentou sobre sua possível integração ao ministério do novo governo ou a um cargo no STF.

Perguntado sobre o motiva para o encontro com Bolsonaro, o juiz afirmou que o país precisa de uma agenda anticorrupção e anticrime organizado.

“Se houver a possibilidade de uma implementação dessa agenda, convergência de ideias, como isso ser feito, então há uma possibilidade. Mas como disse, é tudo muito prematuro”, frisou Moro.

E ressaltou que ainda não há nada definido: “Tô indo lá para conversar, não tem nada decidido. Ainda vai haver a conversa”.

Na oposição começam as críticas duras ao magistrado. Para a presidente do Partido dos Trabalhadores, a senadora eleita deputada federal, Gleisi Hoffmann: “Sergio Moro não vê problema em conversar com presidente eleito e considerar seu convite para ocupar um ministério. O presidente em questão falou que Lula vai apodrecer na cadeia e quer exterminar os vermelhos. Vivam juízes isentos como Moro e presidentes democráticos como Bolsonaro”, criticou Gleisi.